Páginas

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Amazônia

Fabricantes de calçado pedem moratória a desmatamento no Brasil

Alguns dos maiores fabricantes de calçados da Grã-Bretanha estão exigindo de seus fornecedores de couro baseados no Brasil uma moratória imediata na destruição da floresta amazônica.

Entre as fabricantes, estão a Nike, Timberland, Clarks e Adidas.

A decisão foi anunciada após uma investigação do grupo ambientalista Greenpeace ter acusado, em junho deste ano, que parte do couro e da carne que chega à Grã-Bretanha do Brasil vem de fazendas que praticam desmatamento da Amazônia.

A moratória será aplicada a empresas que compram couro de bois criados em fazendas identificadas pelo Greenpeace que desmatam parte da floresta – tanto legal quanto ilegalmente. A moratória será estendida caso mecanismos de rastreamento do couro não sejam adotados dentro um ano.

'Além do rastreamento'

"A Nike pode dizer que com um alto nível de certeza que o couro usado nos nossos produtos não vem de áreas da bacia da Amazônia", afirma uma nota divulgada pela empresa no seu site britânico no mês passado.

"No entanto, ao reconhecer que não há atualmente um sistema de rastreamento para traçar as origens do couro com 100% de confiança, nós divulgamos uma política que requer que nossos fornecedores estabeleçam um sistema de rastreamento no próximo ano. Além disso nós assinamos o príncipios 'Comprometa-se ou cancele', do Greenpeace, que defendem uma moratória do desmatamento."

A Nike afirma que "além do rastreamento, é necessário um sistema de certificados para todas as indústrias envolvidas na carne brasileira e na cadeia de fornecedores de couro".

A Timberland divulgou uma nota no blog Earthkeepers - site sobre questões ambientais que é apoiado pela empresa - na qual defende a moratória ao desmatamento.

"Para manter uma relação com a Timberland, todas as atuais fornecedoras brasileiras de couro precisam publicamente se comprometer a apoiar uma moratória imediata a qualquer expansão da pecuária na Amazônia até 15 de agosto de 2009", afirma a nota da empresa.

"Além disso, este compromisso inclui a implementação de políticas de rastreamento e monitoramento para reforçar a adesão a esses princípios e um cronograma para eliminar o fornecimento de fazendas que praticaram desmatamento desde julho de 2006."

A Nike e a Timberland elogiam a investigação do Greenpeace nas suas notas. Segundo a ONG, a campanha contra o desmatamento também tem apoio da Adidas e ganhou, nesta semana, o endosso da Clarks.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o ministro brasileiro do Meio Ambiente, Carlos Minc, elogiou a decisão das fabricantes de calçados.

"Com pressão do governo de um lado e com pressão do consumidor do outro, nós estamos começando a fechar o cerco contra criminosos (ambientais)", disse Minc, segundo o Guardian.

Nenhum comentário: